13 de jul de 2017

Novo material quer que telas quebradas de celular sejam coisa do passado

Desde que ficaram mais acessíveis, as impressoras 3D evoluíram a passos largos e se mostraram plataforma perfeitas para a criação de quase todo tipo de objeto – desde próteses para deficientes a controles de video game e armas letais. Um novo material, no entanto, pode expandir ainda mais as possibilidades do equipamento e fazer com que, no futuro, os celulares possam consertar uma tela quebrada de forma automática e natural.
Não, você não seu errado. Graças às pesquisas feitas por uma equipe da Universidade de Melbourne, uma nova tecnologia de regeneração pode chegar aos displays de dispositivos mobile e acabar de vez com a ida do seu smartphone para o conserto. Segundo o engenheiro químico Luke Connal, que encabeça o projeto, o gel-tinta sendo desenvolvido pelo time permite que objetos impressos com ele se restaurem de forma natural, simulando alguns animais e estendendo consideravelmente vida útil de peças e produtos.

Parece bacana, hein?

A ideia é que vidros quebrados ou trincados possam se curar com o tempo
Como dá para ver nas imagens acima, isso significa que vidros quebrados ou trincados podem ir se curando conforme o tempo, voltando a um estado bem próximo de sua forma original. Além disso, por conta de o gel ser baseado em um polímero que segue os conceitos da química covalente dinâmica, a impressão feita com o material pode ganhar novas propriedades, como a capacidade de mudar de forma quando for exposto a água.
Infelizmente, vai ser preciso esperar alguns anos até que a tecnologia esteja devidamente calibrada e o gel possa receber função de sensibilidade ao toque. Enquanto isso não acontece, a ideia é que o projeto use parte do seu potencial para finalidade militares. Soldados em campo, por exemplo, podem imprimir equipamentos com camuflagem feita sob medida para o ambiente ao seu redor, enquanto comandantes de submarinos ganham a opção de fabricar peças sobressalentes – e duráveis – sem ocupar espaço dentro do espaço restrito do veículo.
Fonte: Tecmundo.