22 de jan de 2015

Odeia o BBB? Saiba como se livrar de posts sobre o reality

Mais uma edição do BBB Brasil começou e, para quem não gosta do programa, chega a ser "torturante" acompanhar os comentários sobre o assunto no Twitter e no Facebook.  Mas não se desespere. Há alguns programas e extensões que podem ajudar a esconder tudo que estiver relacionado ao reality show enquanto você navega na internet seja pelo computador ou pelo smartphone.
Um deles é o "No BBB", um aplicativo gratuito que deve ser instalado no Google Chrome ou no Firefox. Além de "censurar" posts nas redes sociais, também "torna invisível" as notícias relacionadas ao Big Brother em outros sites.  Todo conteúdo relacionado ao tema se transforma em um quadrado amarelo --ou da cor escolhida.
Outra opção é o "Chega de BBB", que também é uma extensão do Google Chrome que bloqueia conteúdos relacionados ao reality show no navegador, substituindo-os pelo logo do aplicativo. Mas, diferente do "No BBB", essa ferramenta não permite personalizar as palavras filtradas. 
O filtro de conteúdos no Facebook também pode ser realizado pelo "FB Purity", que permite que o usuário escolha os "termos" que não quiser ver. Já os "Open Tweet Filter" e "Larry Filter" filtra conteúdos do Twitter e possibilita o bloqueio de palavras, hashtags e até usuários.

Chega de rumores! O WhatsApp acaba de chegar ao seu computador [atualizado]


Não faz muito tempo que ensinamos aos leitores alguns passos simples para controlar e usar o WhatsApp pelo PC ou notebook. No entanto, se essa solução não agradou muito, estamos aqui para dar uma boa notícia: através de seu blog oficial, os administradores do mensageiro informaram que uma versão web do WhatsApp para Google Chrome acaba de ser disponibilizada.

Para começar a utilizar o serviço basta apenas acessar o endereço https://web.whatsapp.com no seu navegador da Google e escanear o código QR com o WhatsApp do seu smartphone (botão “WhatsApp Web” localizado no menu). A funcionalidade, ao menos por enquanto, só está disponível para AndroidWindows PhoneBlackBerry e BlackBerry 10 e só estará visível para aqueles que tiverem a última versão do aplicativo instalada.
Essa versão web do WhatsApp, a bem da verdade, é apenas uma extensão do aplicativo para o smartphone. O app ainda precisa estar conectado no aparelho (ou seja, vinculado a um número de telefone) e conectado à internet para que o WhatsApp Web funcione. Por enquanto, uma versão para o iOS ainda não foi liberada por causa das políticas da plataforma da Apple que provavelmente não permitem que o recurso funcione corretamente. Também não é mencionada a possibilidade de essa funcionalidade desembarcar em outros navegadores.
WhatsApp Web

ATUALIZAÇÃO – Veja o WhatsApp Web em funcionamento

Se até agora você estava duvidando de que esta notícia estava falando a verdade, viemos aqui para comprovar o que foi dito. A imagem a seguir mostra o WhatsApp Web em funcionamento através do Google Chrome, exatamente como o site do programa havia mencionado. A sua versão para navegador conserva todas as funcionaldiades da variante mobile, como aquele aviso de quando a mensagem é lida, emoticons, envio de anexos e tudo mais.
WhatsApp Web em funcionamento.
Além disso, uma funcionalidade extra do WhatsApp Web chamou bastante nossa atenção: caso o seu Google Chrome esteja habilitado para emitir notificações (ajuste provavelmente relacionado à opção encontrada em Configurações > Privacidade > Configurações de conteúdo... > Notificações) é possível que a Área de Trabalho passe a exibir as mensagens assim que elas cheguem ao navegador (exatamente como na imagem abaixo).
Notificação da Área de Trabalho.
Fonte: Tecmundo.

Google vai virar operadora de telefonia celular


Já está difícil imaginar uma área em que a digital do Google não esteja presente. A mais recente delas foi anunciada nesta quarta-feira, dia 21: o Google vai se tornar a mais nova operadora celular do Estados Unidos. Não será uma operadora convencional, dona de torres de transmissão e estações rádio base: será uma MVNO - Mobile Virtual Network, algo como Operadora Móvel Virtual. Na prática, o Google vai alugar a infra-estrutura da T-Mobile e da Sprint (operadoras convencionais que atuam no mercado norte-americano) e oferecer seus próprios pacotes diretamente aos consumidores. 

Clique aqui para conferir um vídeo que explica o que é uma MVNO.

A notícia caiu como uma bomba no mercado do Tio Sam. Por lá, a competição entre as empresas já é bastante acirrada e, agora, todos se preparam para uma guerra de preços ainda maior, com a chegada do Google. O temor tem precedentes. O gigante das buscas já mexeu com mercado de banda larga de lá, ao oferecer conexões com 1 Gbps de velocidade a preços acessíveis em algumas cidades. O resultado do movimento foi um aumento do esforço das outras operadoras para oferecer conexões mais rápidas em seus mercados, em ações preventivas contra a "ameaça" do Google. Agora, espera-se que efeitos similares possam ser sentidos no mercado celular.

T-mobile e Sprint a princípio resistiram à aproximação do Google. O temor é que elas poderiam estar colocando a raposa para tomar conta do galinheiro, já que o Google poderia, no longo prazo, acabar modificando completamente o ecossistema celular. Mas, premidas pela grande competição (que, hoje, tem dois grandes líderes, AT&T e Verizon) as duas empresas acabaram cedendo à oferta de dinheiro sem risco e em grande quantidade oferecida pelo Google nos contratos de aluguel da infra-estrutura. Mas, as ambições da turma de Moutain View (sede do Google, no Vale do Silício) no setor celular devem ir além desses acordos recém-firmados.

Uma nova era de comunicação celular

Há tempos o Google vem pressionado o FCC (órgão do governo de lá parecido com nosso ministério das comunicações) para que uma parte do espectro anteriormente ocupado pela TV analógica seja liberado para redes Wi-Fi. No plano maior do Google, no futuro, essas redes Wi-Fi seriam a principal forma de conexão para os smartphones - eles só usariam a comunicação celular mais tradicional onde não houvesse oferta dessas redes. O detalhe é que esse desenho pode fazer com que os custos de todo o ecossistema caiam dramaticamente. Ótima notícia para os consumidores e para o processo de conexão como um todo. Nem tão boa perspectiva para as atuais operadoras celulares.
Fonte: Olhar Digital.