20 de fev de 2018

Vendas fracas do iPhone X prejudicam Samsung; entenda

Samsung e Apple são concorrentes no ramo de smartphones, mas neste caso o desempenho fraco de um iPhone acabou prejudicando a empresa coreana. De acordo com a agência de notícias japonesa Nikkei, as vendas relativamente baixas do iPhone X fizeram a Apple reduzir a demanda por telas OLED produzidas pela Samsung, o que deixou a fabricante dos celulres Galaxy em uma situação complicada. 
A Samsung teria investido em recursos e pessoas para aumentar sua capacidade de produzir painéis desse tipo para suprir a demanda gerada pelo iPhone X, cuja tela usa essa tecnologia. Mas como o celular vendeu menos que o esperado, a Apple reduziu sua demanda por essas telas, o que deixou a Samsung com um investimento parado. Segundo a Nikkei, as linhas de montagem de telas OLED da empresa coreana estão funcionando em apenas 50% a 60% de sua capacidade. 
Sem saída
Para resolver esse problema, a Samsung poderia encontrar novos clientes para comprar suas telas, mas isso tem se revelado mais complicado do que seria de se esperar. O motivo disso, segundo o site, é o custo elevado dessas telas: os displays OLED da Samsung custam mais de US$ 100 por unidade, incluindo os sensores de toque. Isso representa um custo 40% maior que o de painéis LCD.

Esse custo elevado do display é um dos motivos pelo qual o iPhone X custa US$ 1.000. E as fabricantes que estão crescendo no mercado, como as chinesas Vivo e Oppo, estão crescendo justamente graças aos seus dispositivos de entrada e intermediários, de preço mais baixo. Seria inviável para as empresas equipar esses aparelhos com telas OLED, e como o gráfico abaixo mostra, embora as empresas venham crescendo, sua demanda por painéis desse tipo se manteve estável nos últimos anos:

De acordo ainda com a IHS Market (a empresa de pesquisa de mercado responsável pelo gráfico acima), apenas cerca de 5% a 10% dos celulares da Vivo e da Oppo usam telas desse tipo. No fim das contas, a Samsung acaba sendo a principal fonte de demanda por telas desse tipo, para usar em seus próprios celulares. 
E vai piorar
Como se isso não fosse suficiente, a situação ainda deve piorar para a Samsung nos próximos anos, segundo o GSM Arena. Isso porque novas empresas devem começar a entrar no mercado de telas OLED. Na Coreia do Sul, a LG Display é uma das que está investindo nesse setor; na China, o investimento está sendo feito por empresas como Tianma Microelectronics e BOE Technology Group, com subsídio estatal. 
Isso deve aumentar a oferta por telas OLED e, consequentemente, reduzir o preço delas. A estimativa da Nikkei é que a capacidade de produção mundial de telas OLED em 2020 seja o dobro do que é hoje. Para a Samsung, são más notícias: a empresa atualmente é responsável por mais de 95% do mercado de displays desse tipo para smartphones, e dificilmente conseguirá manter essa posição. 
E daí?
Mas para os consumidores, essas notícias podem ser boas. Afinal, o barateamento das telas OLED pode fazer com que elas sejam usadas em mais smartphones. Essas telas tem algumas vantagens sobre os painéis LCD: elas conseguem controlar individualmente a iluminação de cada pixel, e podem apagá-los totalmente também. Isso permite que elas tenham um contraste maior, e que elas economizem mais bateria do celular. 
Quanto à Samsung, também não é como se os executivos da empresa fossem passar fome por causa dessa situação: o conglomerado registrou lucros recordistas no ano passado, graças especialmente à sua divisão de chips e semicondutores. O setor de displays foi em parte responsável por esse resultado, mas não foi a área mais importante. É bem provável que a empresa consiga contornar os prejuízos causados por essa situação com lucros em outros setores. 
Fonte: Olhar Digital.

Tão cedo? Apple pode apresentar novo iPhone SE na WWDC

Que o iPhone SE 2 provavelmente está em desenvolvimento, já não é bem novidade – afinal, alguns rumores surgiram nos últimos meses indicando que ele está mesmo em desenvolvimento. Agora, informações trazidas pelo site chinês QQ vieram mostrar vários outros detalhes do aparelho – incluindo uma possível data para sua chegada.
Começamos falando do hardware, que, de maneira geral, se encaixa bastante no que esperaríamos para o modelo mais modesto da linha: um processador A10, 2 GB RAM e opções de 32 e 128 GB de armazenamento. Para manter os custos baixos, claro, a Apple teria decidido deixar o Face ID de lado em favor do Touch ID. Quanto à tela do aparelho? Bem, é melhor não esperar muitas mudanças, já que ele iria de 4 para 4,2 polegadas.
Não esquecemos, é claro, da tão esperada data para a revelação do smartphone. O aparelho seria revelado durante a WWDC 2018 – que, embora ainda sem data, deve ocorrer lá pelo meio do ano, seguindo os padrões da companhia. Isso só reforça outros rumores surgidos ainda em 2017, que indicavam um lançamento para o primeiro semestre de 2018.
Infelizmente, como no caso de todos os rumores, é melhor não levar tudo como uma verdade absoluta e tentar ter paciência para informações oficiais.
Fonte: Tecmundo.

18 de fev de 2018

Apple Park: entenda por que nunca visitaremos o novo campus sede da Apple

Um marco arquitetônico repleto de inovações, cercado de segredos e erguido à base de um investimento colossal: bem-vindo ao Apple Park, o novo campus sede da Apple em Cupertino, Califórnia. O empreendimento impressiona, e não só pelos números que ostenta. Projetado para ser o local de trabalho de mais de 10 mil funcionários e orçado em nada menos do que 5 bilhões de dólares (algo em torno de 16 bilhões de reais), o prédio está envolto em mistério.
Segundo Tim Cook, CEO da Apple, o motivo do suspense é simples: há muita informação confidencial por aquelas bandas, ou seja, infelizmente, quem não tem um crachá da maçã pendurado no peito não passa nem da porta de vidro da recepção. A medida, que pode parecer antipática, é estratégica: preserva as informações da empresa e gera toda uma repercussão sobre o que acontece dentro do prédio, que, graças à arquitetura neo-futurista, mais parece uma nave espacial.

Questionado sobre a possibilidade de um tour pelo empreendimento durante um evento que reuniu os acionistas da empresa esta semana, Tim Cook brincou: “Manter a confidencialidade do que existe aqui dentro é basicamente uma condição para a minha sobrevivência, hoje. Eu te mando uma foto!”.

E por falar em foto...

Nas últimas semanas, fotos feitas no interior do prédio, postadas no Instagram por funcionários da Apple, começaram a desaparecer da rede. A suspeita é de que se trata de uma orientação da empresa. O pouco que ainda resta no ar, porém, ajuda a ter uma ideia da imponente arquitetura do lugar.

Próximo ao campus da Apple, um centro de visitantes

Apesar de o acesso ao campus sede ser restrito a funcionários, basta atravessar a rua para visitar um espaço preparado pela Apple para os fãs e entusiastas da empresa. Misto de Apple Store, café e “santuário” da marca, o Centro de Visitantes do Apple Park oferece atividades interativas e produtos exclusivos, que não podem ser encontrados em nenhuma outra Apple Store do mundo.
Além de terem acesso a iPads que permitem interagir com uma maquete do prédio futurista por meio da tecnologia de realidade aumentada, os visitantes podem adquirir itens como camisas, cartões postais e até roupas de bebê com a marca do Apple Park. Por fim, ainda é possível visitar o terraço do centro, que, segundo Cook, tem uma vista deslumbrante da “nave espacial” vizinha.
Por enquanto, o Centro de Visitantes é o mais próximo que se pode chegar da experiência do Apple Park. A menos que você descole um crachá da empresa, é claro.

Fonte: Tecmundo.


Google Maps para iOS ganha novos recursos; confira


O Google está atualizando a versão do aplicativo Maps para o sistema operacional iOS e entre as novidades estão informações de trânsito, transporte público e recursos para explorar a região. Essas funções já estavam disponíveis para os usuários do sistema Android.



Agora, na parte inferior do aplicativo aparecem três opções: “Explorar”, “Carro” e “Transporte Público”. Na primeira é possível encontrar postos dos Correios, hospitais, floriculturas, farmácias, supermercados, postos de gasolina, além de bares e restaurantes próximos. Também é possível ver fotos da região.
Já em “Carro”, o aplicativo permite adicionar o endereço de casa e do trabalho, além de exibir informações em tempo real sobre o trânsito e relatórios de tráfego. Na parte de “Transporte Público” são exibidos horários e linhas de trem, metrô e ônibus.

Fonte: Olhar Digital.

16 de fev de 2018

Apple concentra mais da metade da receita global de smartphones

A Apple concentra mais da metade de todo o faturamento da indústria global de smartphones. De acordo com dados da consultoria Strategy Analytics, 51% da receita mundial do último trimestre de 2017 foi para a Apple.
As vendas do iPhone X contribuíram bastante para o cenário de domínio da Apple: além de fazer a empresa ter lucro recorde nos três meses finais do ano passado, o novo smartphone ajudou a Apple a aumentar sua fatia na receita global de smartphones.
Dos US$ 120 bilhões arrecadados entre outubro e dezembro por fabricantes de smartphones, a Apple ficou com US$ 61,4 bilhões. No mesmo período de 2016, a empresa faturou US$ 54,2 bilhões e ficou com 48,5% do mercado global.
A Samsung foi a segunda colocada em receita, com US$ 18,9 bilhões e 15,7% de market share, enquanto a Huawei teve US$ 8,4 bilhões em receita e 7% de participação no mercado. Outras fabricantes tiveram, juntas, US$ 31,5 de receita e US$ 26,2% de participação.
Apesar da liderança folgada no ranking de receita, a Apple não tem tanta vantagem assim na venda de smartphones por unidades. De acordo com a IDC, 77,3 milhões de iPhones foram vendidos no último trimestre do ano passado, enquanto a Samsung teve 74,1 milhões de aparelhos comercializados.
Fonte: Olhar Digital.

15 de fev de 2018

Falha no iPhone faz celular travar com um caractere indiano

Foi descoberta uma nova falha no sistema operacional iOS 11. Segundo informações do blog italiano Mobile World e o site The Verge, o erro é causado por um caractere do idioma telugo, nativo da Índia, que trava algumas funções do celular.
Ao receber esse caractere específico, o usuário perde o acesso ao aplicativo de mensagens nativo e aos aplicativos de mensagens instantâneas, como o WhatsApp e Facebook Messenger, e e-mails.
Reprodução
Quando o caractere é exibido dentro de uma dessas plataformas, o aplicativo começa a falhar e fechar sozinho, pois ele está tentando processar a letra. A situação parece ficar pior quando o iOS tenta exibi-lo nas notificações; quando isso acontece, o Springboard, que é o sistema responsável por gerenciar a página inicial do celular acaba bloqueado.

Aparentemente, o erro afeta os aparelhos que executam o iOS 11.2.5, então praticamente todos os usuários de iPhone estão vulneráveis. Os únicos aparelhos imunes são aqueles que estão rodando o iOS 11.3, que ainda está em versão beta, que aparenta estar imune até o momento.
Esta não é a primeira vez que o sistema da Apple trava por conta de letras específicas, URLs ou vídeos. No mês passado, por exemplo, foi descoberto um link capaz de travar o iPhone e que foi corrigido na versão 11.2.5. Além disso, em 2013 a empresa também enfrentou problemas similares, chegando ao ponto de o blog de humor brasileiro Não Salvo iniciar uma campanha para seus leitores "trollarem" usuários da Apple enviando uma sequência de caracteres que fazia qualquer aplicativo travar, gerando caos entre usuários de iPhone com amigos engraçadinhos. 
Fonte: Olhar Digital.

14 de fev de 2018

Caixa de som de US$ 350 da Apple deixa marca em superfícies de madeira

Na semana passada, a Apple começou a vender no exterior o HomePod, sua caixa de som Bluetooth capaz de responder a comandos de voz pela Siri. O dispositivo custa US$ 350 (mais de R$ 1.130 em conversão direta), mas os primeiros consumidores já estão encontrando defeitos inesperados.
Usuários do HomePod perceberam que ele pode deixar um círculo branco marcado em superfícies de madeira. Fotos do incidente foram compartilhadas pelo Twitter, até que um porta-voz da Apple encaminhou um posicionamento ao site Wirecutter.
E é verdade: a Apple admite que o HomePod pode deixar marcas em algumas superfícies de madeira. Não se sabe ainda o que causa o surgimento das manchas, mas, aparentemente, elas podem aparecer após apenas 20 minutos, e não são permanentes.
O site Pocket-lint fez alguns testes com o HomePod e parece ter chegado à conclusão de que as manchas não aparecem em qualquer tipo de superfície de madeira, mas surgiram em ao menos um móvel que havia sido lubrificado com óleo dinamarquês.
Um porta-voz da Apple disse ao Wirecutter que "as marcas podem melhorar após alguns dias depois que a caixa de som for removida de sobre a superfície de madeira". Se elas não sumirem, a empresa sugere "limpar a superfície com o lubrificante sugerido pela fabricante".
O HomePod não é vendido oficialmente no Brasil, e nem tem previsão para chegar ao país.
Fonte: Olhar Digital.

8 de fev de 2018

Parte do código do iOS vaza e deixa Apple em alerta

A Apple é um dos grandes expoentes do software fechado, o que implica em não expor o código-fonte de seus softwares por motivo algum. Por este motivo, chama a atenção um vazamento de um pedaço primordial do código do iOS, o que coloca a Apple em uma situação delicada.
O código em questão é conhecido como “iBoot”, responsável por garantir que o celular seja ligado de forma segura, garantindo que o kernel do sistema operacional seja devidamente assinado pela Apple, como explica o site Motherboard.
Com essa informação em mãos, hackers poderiam analisar o código minuciosamente a fim de buscar vulnerabilidades no sistema. Isso pode ser usado tanto para fins maliciosos, para atacar usuários de iPhones, quanto para fins mais amenos, como criar novos métodos de jailbreak mais eficazes para desbloquear o aparelho.
A publicação do código-fonte, no entanto, não é nova e aconteceu no ano passado por meio de um usuário do Reddit identificado como "apple_internals". No entanto, como ele tinha baixa reputação no site, a publicação foi logo soterrada e esquecida até ganhar nova vida recentemente com a publicação no GitHub.
O pedaço de código, divulgado no Twitter pelo usuário @q3hardcore, é referente ao iOS 9, mas deve se manter igual até o iOS 11. Além disso, a Apple praticamente confirmou a autenticidade dos dados após emitir uma ordem para que o conteúdo fosse removido por meio da DMCA, uma lei americana de proteção à propriedade intelectual. Para ter o benefício da lei, a empresa precisa atestar sob juramento que a informação é real e que foi copiada sem autorização. Isso dito, nada realmente some da internet e cópias da informação continuam sendo distribuídas em comunidades especializadas.
A Apple posteriormente veio a confirmar a autenticidade do código publicamente, mas negou que isso seja um risco de segurança.
"Códigos-fonte antigos de três anos atrás parecem ter sido vazados, mas a segurança dos nossos produtos não depende do segredo do nosso código-fonte. Há muitas camadas de proteção de hardware e software inclusas nos nossos produtos e sempre encorajamos os nossos clientes a atualizar seus aparelhos para as versões mais recentes dos nossos softwares para aproveitar as mais recentes proteções", diz o comunicado de um representante da empresa ao site CNET.
O iBoot é uma parte tão importante do sistema operacional da Apple que a empresa oferece US$ 200 mil a hackers que encontrem uma vulnerabilidade nessa parte do software. Isso significa que o vazamento dessas informações pode gerar uma corrida do ouro atrás de brechas de segurança que possam render uma recompensa por parte da Apple.
Fonte: Olhar Digital.

7 de fev de 2018

Apple começa a testar recurso que exibe saúde da bateria do iPhone

A nova versão beta do iOS 11.3 incluiu uma funcionalidade que foi anunciada recentemente pela Apple: é o novo medidor do estado da bateria, que permite ativar ou desativar o recurso de limitação de desempenho em iPhones antigos.
O recurso foi incluído após a polêmica envolvendo iPhones antigos que ficavam mais lentos devido a uma funcionalidade de software. A Apple reduzia o desempenho dos aparelhos quando a bateria estava desgastada para evitar reinicializações inesperadas quando o processador exigisse mais do que a bateria era capaz de entregar.
A partir do iOS 11.3, a Apple vai incluir informações sobre o estado da bateria dentro do dispositivo. Esses dados vão aparecer dentro de uma área chamada "Saúde da bateria", que também terá a opção de "Gerenciamento de desempenho", como mostra a imagem obtida pelo 9to5Mac:

Quando a bateria estiver desgastada, o gerenciamento de desempenho será ativado, limitando o desempenho máximo do dispositivo. O usuário vai ter a opção de desativar esse recurso, correndo o risco de ter o aparelho sendo reinicializado inesperadamente.
A novidade por enquanto só apareceu em versões beta do iOS 11.3, mas deve ser liberada em breve para todos os usuários do sistema móvel da Apple.
Fonte:Olhar Digital.


5 de fev de 2018

Usuários do iPhone X relatam problema para atender ligações

Um problema bem estranho foi relatado por alguns usuários do iPhone X: o smartphone da Apple não deixa algumas pessoas atenderem ligações, o que ao menos deveria ser um recurso básico em um telefone celular.
O problema está na touchscreen, que demora alguns segundos para ser ativada, impedindo que o usuário aceite uma chamada que recebe. Os primeiros relatos da falha surgiram em dezembro nos fóruns de suporte da Apple, e até agora não está claro o que causa o defeito.
Medidas comuns para solucionar problemas, como reiniciar o aparelho, não parecem resolver. A Apple disse ao Engadget que está estudando os relatos.
Fonte: Olhar Digital.

2 de fev de 2018

Mercado de smartphones caiu 6,3% no fim de 2017, e Apple superou Samsung

Um levantamento publicado ontem pela empresa de pesquisa de mercado IDC revelou que o fim de ano de 2017 foi consideravelmente mais fraco para o mercado de smartphones que o de 2016. De acordo com os dados da empresa, foram vendidos 403,5 milhões de celulares no mundo entre outubro e dezembro de 2017, uma queda de 6,3% ante os 430,7 milhões do mesmo período em 2016.
No total do ano de 2017, foram 1,472 bilhão de aparelhos vendidos no mundo - um resultado praticamente idêntico ao de 2016, quando foram vendidos 1,473 bilhão. Segundo Anthony Scarsella, gerente de pesquisa sobre smartphones da IDC, os mercados desenvolvidos viram quedas maiores, pois os consumidores desses mercados não pareceram ter muita pressa em atualizar seus dispositivos. Nos mercados emergentes, com mais pessoas comprando seus primeiros celulares, houve crescimento.
O mercado de celulares, segundo Jitesh Ubrani, analista de pesquisa sênior da IDC, está se concentrando nas mãos de algumas poucas fabricantes. Entre os dispositivos top de linha, marcas tradicionais como Apple, Samsung e Huawei mantém um forte domínio. Por outro lado, no setor de entrada, as chinesas Vivo, Oppo, Honor e Xiaomi oferecem "incrível concorrência". Isso dificulta que novas empresas entre no mercado.
Troca de liderança
Tanto a IDC quanto a Strategy Analytics notam que, durante o quarto trimestre de 2017, a Apple superou a Samsung em número de smartphones vendidos. A empresa da maçã vendeu 77,3 milhões de celulares no mundo entre outubro e dezembro do ano passado. A empresa coreana, por sua vez, vendeu 74,4 milhões de tais dispositivos no mesmo período.
Segundo o VentureBeat, não se trata de uma grande ultrapassagem, mas sim de uma tendência recorrente. No ano passado, a Apple também vendeu mais que a Samsung durante o período das festas; nos outros nove meses do ano, porém, a empresa coreana fica na frente.
Considerando o ano de 2017 inteiro, a Samsung vendeu 317,3 milhões de celulares, dominando 21,6% do mercado. Na comparação com o ano anterior, esses números representam um aumento tanto no número total (que fora de 311,4 milhões) quanto na fatia de mercado (21,1%). A Apple, por sua vez, vendeu 215,8 milhões de iPhones e deteve 14,7% de participação de mercado - números maiores (mas não muito) do que no ano anterior (215,4 milhões e 14,6%).
Fonte: Olhar Digital.

Apple Pay chega ao Brasil nos próximos meses

O sistema de pagamento móvel da Apple chega ao Brasil nos próximos meses. A informação foi confirmada pelo CEO da empresa, Tim Cook, durante a conferência trimestral de resultados financeiros da Apple feita ontem, 1.
O executivo não deu maiores detalhes, mas, segundo o MacMagazine, citou apenas o Brasil quando falou sobre os próximos lançamentos do Apple Pay.
O site oficial da Apple já foi atualizado com informações em português sobre o serviço, e dá a entender que ele será exclusivo de clientes Itaú, ao menos no início - todas as imagens mostram cartões de crédito do banco, e todos os cartões são para clientes com alto nível de gastos, como Itaú Platinum Personnalité, Itaú Uniclass e Mastercard Black.
Os indícios de que o lançamento do Apple Pay se aproximava surgiram em dezembro, quando alguns usuários começaram a notar um contrato do Itaú citando o serviço da Apple.
O Apple Pay funciona atualmente em mais de 20 países pelo mundo. O Brasil deve ser o primeiro da América Latina a receber o serviço.
Fonte: Olhar Digital.

1 de fev de 2018

Apple reporta queda nas vendas de iPhones após lançamento do iPhone X

O último trimestre do ano é o mais importante para a Apple, concentrando a chegada de um novo iPhone ao mercado e as festas de fim de ano que sempre alavancam as vendas. A empresa, no entanto, decepcionou nos três meses finais de 2017, com o anúncio de queda nas vendas do seu celular.
A expectativa do mercado era de que a Apple anunciasse um crescimento modesto no número de unidades vendidas, mas o que se viu foi o oposto: uma leve queda na quantidade de iPhones vendidos. De 78,3 milhões registrados no final de 2016, a empresa viu o número cair para 77,3 milhões ao fim de 2017, com uma queda de cerca de 1%.
A queda, no entanto, não vai nem de longe afetar os cofres da empresa, que viu seu faturamento com iPhones aumentar, mesmo com a redução das vendas. Isso se deve, claro, ao preço mais alto do iPhone X. O período final de 2016 viu um faturamento de US$ 54,3 bilhões apenas com a venda de celulares, enquanto o trimestre final de 2017 gerou receitas de US$ 61,58 bilhões, totalizando um aumento de 13%.
O preço médio do iPhone vendido também subiu, saltando de US$ 756 para US$ 796. É difícil precisar exatamente o que este número significa, no entanto, sem ter a informação da proporção de vendas entre iPhone X e iPhone 8 e 8 Plus, já que esses modelos também são mais caros do que eram o 7 e o 7 Plus.
Recentemente, surgiram informações de que a Apple estaria reduzindo a produção do iPhone X pela metade devido a vendas abaixo da expectativa. Tim Cook afirma o contrário, atestando que as vendas estão acima do que a Apple esperava, mesmo com a queda no número de iPhones vendidos no total. De um modo geral, no entanto, o iPhone X foi o modelo mais vendido pela Apple todas as semanas desde seu lançamento.
Ainda que os iPhones sejam um desapontamento para a empresa e seus acionistas, os resultados no geral estão longe de ser ruins. A empresa registrou as maiores receitas de sua história, com US$ 88,3 bilhões faturados em apenas três meses, com lucros na casa dos US$ 20 bilhões, o que são números simplesmente assombrosos.
Sobre os outros produtos vendidos pela empresa, os resultados são mistos. O iPad viu uma alta de 1% nas vendas, com 13,1 milhões de unidades vendidas, enquanto o Mac teve uma queda de 5% com 5,1 milhões de unidades. As áreas de serviços e outros produtos viram um bom salto de faturamento, subindo 18% e 36% respectivamente.
Fonte: Olhar Digital.

30 de jan de 2018

Apple vai deixar novos recursos de lado no iOS 12 para melhorar desempenho

A Apple pode deixar de lado a inclusão de grandes novos recursos na próxima versão do iOS para se concentrar em melhorar desempenho e confiabilidade do sistema operacional dos iPhones e iPads.
O rumor foi publicado pelo site Axios, que diz que o vice-presidente de engenharia de software da Apple Craig Federighi instruiu sua divisão a deixar de lado grandes projetos do iOS 12 para focar no desempenho da plataforma. Assim, novidades como uma nova tela inicial, por exemplo, foram temporariamente deixadas de lado para a equipe se concentrar em consertar bugs e aprimorar o uso do iOS.
Não significa que o iOS 12 não vai trazer novidades. A Apple prepara melhorias na realidade aumentada, recursos de saúde e controle parental, mas a principal preocupação atual é evitar que o sistema seja lançado com falhas que prejudiquem a usabilidade por parte dos usuários. Os grandes novos recursos foram adiados para 2019, e devem ser apresentados apenas junto com o iOS 13.
O iOS 12 deve ser anunciado no meio do ano. O mais provável é que a apresentação do sistema ocorra durante a WWDC em junho, que é o evento que a Apple tradicionalmente anuncia novidades em seus sistemas operacionais.
Fonte: Olhar Digital.

29 de jan de 2018

Apple revela novos recursos para iOS 11.3 com animojis e melhorias para AR

Separamos tudo o que você precisa saber sobre a nova versão do iOS, como baixar o beta e quando ele deve chegar para usuários finais

Depois de ter liberado a última atualização do sistema operacional para dispositivos móveis, o iOS 11.2.5, nessa quarta-feira (24), a Apple puxou as cortinas e revelou o que podemos esperar para o iOS 11.3
Já nos adiantamos em dizer que há alguns recursos bem legais, incluindo um que todos nós estamos esperando: um botão para alternar a aceleração da CPU nos celulares com baterias antigas.
Aqui está tudo o que você precisa saber sobre o que está no iOS 11.3, quando está chegando, e como instalar o beta.
O que há no iOS 11.3?
Bateria e desempenho 
Como prometido, a Apple trará o gerenciamento de energia muito necessário para as configurações da bateria no iOS 11.3. A Apple diz que os usuários agora poderão ver a saúde geral da bateria e recomendarão se ela precisa ser atendida. Você também será informado se sua bateria está desencadeando uma desaceleração de chip e pode optar por desligar esse recurso. O interruptor só estará disponível para iPhone 6, iPhone 6 Plus, iPhone SE, iPhone 6s, iPhone 6s Plus, iPhone 7 e iPhone 7 Plus.
Mensagens no iCloud
Um dos recursos mais emocionantes prometidos do iOS 11 pode finalmente pousar no iOS 11.3. O primeiro beta para desenvolvedor inclui a capacidade de optar por suas mensagens no iCloud. Isso armazena todas as suas Mensagens no iCloud, liberando espaço no seu dispositivo e mantendo tudo sincronizado entre todos os seus aparelhos iOS e macOS. Inicie uma sessão num novo dispositivo e veja todo o seu histórico de mensagens imediatamente. Exclua uma mensagem em um dispositivo e lá ela se foi em todos os lugares. Finalmente!
ARKit 1.5


A Apple também está aumentando seu jogo de Realidade Aumentada (AR) no iOS 11.3 com o ARKit 1.5, trazendo "experiências de AR ainda mais imersivas que melhor se integram com o mundo e dando-lhes as ferramentas para alimentar uma nova geração de aplicativos AR". A Apple diz que o novo ARKit será capaz de reconhecer e colocar objetos virtuais em superfícies verticais, como paredes e portas, bem como mapear superfícies que não sejam quadradas, como mesas circulares.
Tim Cook tem sido um grande defensor da AR. O CEO da Apple disse ao Financial Post que "A realidade aumentada é a tecnologia mais profunda do futuro. Amplifica o desempenho humano. Amplifica seres humanos, não substitui e não isola. Eu acredito muito nisso".
Animoji
Os usuários do iPhone X também receberão quatro novos Animoji para brincar: um leão, um urso, um dragão e um crânio.
AirPlay2
Se você tem um iPhone ou iPad com o beta iOS 11.3 e uma Apple TV com TVOS 11.3 beta, você pode usar o recurso de áudio multi-sala do AirPlay 2 para reproduzir áudio para vários dispositivos Apple TV em diferentes locais. Você também pode controlar a reprodução de áudio em diferentes dispositivos de uma vez do seu dispositivo iOS.
Esta é uma característica importante do AirPlay2, mas por enquanto está disponível para aqueles com vários dispositivos Apple TV. No futuro, o recurso de áudio multi-sala virá para alto-falantes de terceiros e o próprio HomePod da Apple (provavelmente junto com o lançamento público final do iOS 11.3 ou possivelmente uma futura versão beta).
Safari 11.1
O iOS 11.3 (e macOS 10.13.4) contam com o Safari 11.1. A nova versão possui uma série de novos recursos, incluindo:
- Pedido de Pagamento: fornece uma experiência consistente de pagamento ao usuário no Safari usando uma API baseada em padrões.
- Melhorias de segurança: melhor proteção contra corrupção de memória e ataques de execução de código.
- Os usuários podem esperar um melhor preenchimento automático de senha (inclusive em aplicativos que usam a Visualização da Web), um melhor modo para leitor e uma melhor proteção contra o rastreamento de sites entre sites.
Business Chat
A Apple adicionará um novo recurso às Mensagens chamadas Business Chat que permitirão que os usuários se comuniquem diretamente com as empresas. A Apple diz que os clientes poderão agendar compromissos de trabalho ou fazer compras sem compartilhar informações de contato.
Registros de saúde
O iOS 11.3 também apresentará um novo aplicativo, o Health Records, que visa agilizar os dados médicos dos pacientes entre os prestadores de saúde. De acordo com a Apple, o aplicativo - protegido por senha - coletará dados de saúde de várias instituições e irá organizá-los em sob uma única visão, incluindo notificações para resultados de laboratório, medicamentos e doenças.
Vídeos em Música e Notícias
Entre as outras novidades no iOS 11.3 estão vídeos musicais dentro da Apple Music e videoclipes de notícias dentro da Apple News. Ainda não sabemos como isso afetará a navegação nesses aplicativos.
HomeKit e AML
A Apple está destacando a autenticação do software HomeKit (uma característica anunciada pela primeira vez no ano passado), o que remove uma grande barreira para fabricantes de aparelhos inteligentes. A companhia costumava incluir um chip de autenticação especial em seus produtos para suportar o HomeKit, agora mas não mais.
A Apple também irá suportar o Advanced Mobile Location (AML). Este é um recurso usado principalmente em toda a Europa que ativará automaticamente os serviços de localização e enviará seu endereço para atendentes de emergência quando você ligar para serviços de emergência. Ele foi suportado no Android desde 2016 e já tem algumas histórias de sucesso, então é bom ver a Apple pulando a bordo.
OK. Mas e quando iOS 11.3 será lançado?
A Apple raramente dá datas de lançamento exatas para lançamentos do seu sistema operacional iOS, mas deu um cronograma geral de "esta primavera" (nos EUA, ou seja, final de março). Até agora, apenas o primeiro beta foi lançado para desenvolvedores, não para o público em geral. Dado os recursos desta versão, esperamos pelo menos quatro ou cinco versões beta, e possivelmente muitos mais. Nós duvidamos que o iOS 11.3 seja lançado antes de março.
Como posso conseguir?
Se você é um desenvolvedor, você pode obter os lançamentos para desenvolvedores a partir do site da Apple.
Se você é um usuário regular e deseja participar do teste beta, você precisará dirigir-se para o beta.apple.com no dispositivo em que deseja executar o beta. 
Você poderá se inscrever lá e baixar um perfil especial que permitirá que seu dispositivo faça o download das versões beta. Depois disso, os novos lançamentos beta serão entregues, assim como as atualizações regulares do iOS são: você receberá uma notificação quando estiver pronto e pode verificar manualmente indo para Configurações> Geral> Atualização de software.
Fonte: Macworld.

Apple atualiza iOS 11.2.5 com novidades para Siri e suporte para HomePod

Com update, Siri pode ser ativada para ler notícias em voz alta. Atualização corrige bugs, como o que ficou conhecido como 'chaiOS'

A Apple liberou a atualização do iOS 11.2.5 nessa quarta-feira (24). O update traz uma série de novidades, incluindo integração com o alto-falante inteligente HomePod, que começa a ser vendido nos EUA nessa sexta-feira (26) por US$ 349. 
Com a atualização, usuários de dispositivos Apple poderão configurar facilmente a caixa de som inteligente. O sistema identificará automaticamente o seu Apple ID e sincronizará seus dados do aparelho, conectando automaticamente, por exemplo, ao Apple Music, serviço de streaming exclusivo no HomePod.
Siri mais inteligente
A Apple pode até ter sido uma das pioneiras ao entregar uma assistente virtual aos seus usuários. Mas na atual batalha das assistentes inteligentes, a empresa de Cupertino tem ficado para trás da Amazon e sua assistente Alexa e a Google Assistant
Com a última atualização do iOS, a Apple parece querer resolver isso. Agora, a Siri ganha o recurso de leitura em voz alta. Diga o comando "Hey, Siri, leia as notícias" e ela te conduzirá às principais manchetes - de diferentes editorias - que deverão te deixar bem informado ou deprimido ao longo do dia.
Erros corrigidos
O update endereça também correções, incluindo o bug que ficou conhecido como“chaiOS”. A brecha fazia com que o aplicativo de mensagens do iPhone, o iMessage, travasse e fechasse sozinho ao receber um link específico. 
Outro erro reparado, segundo a Apple, diz respeito a uma falha que poderia provocar a exibição de informações incompletas na lista de chamadas e o último, exclusivo ao iPhoneX, poderia ocultar as notificações de e-mail ao desbloquear a tela com o Face ID.
Para atualizar o sistema, vá em "Configurações" e busque pela aba "Ajustes" do iPhone e na opção "Geral", toque em “Atualização de software”. 
Fonte: Macworld