5 de jul de 2015

Comparamos o táxi com os serviços do polêmico Uber; veja a diferença

Um carro preto incomoda muita gente; dois, três, dezenas de carros pretos, incomodam muito mais! A polêmica está instaurada e provavelmente você até já ouviu falar do alvoroço que o Uber está causando mundo afora. O sistema de carona remunerada baseada em um aplicativo está sendo fortemente atacado pelos taxistas, que consideram o serviço ilegal e prometem fazer o que for preciso para acabar com a novidade.
Mas antes de explicar toda essa polêmica, discussões e protestos, nós experimentamos e comparamos os serviços da Uber e de um taxista comum. Fizemos o mesmo trajeto: saímos da sede do Olhar Digital em direção ao Palácio dos Bandeirantes, onde mora o governador do Estado; cerca de sete quilômetros de distância. Olha só como foi nossa experiência.

Primeiro chamamos o motorista pelo Uber. O app é bastante fácil de usar. Depois de fazer um cadastro – que pode ser inclusive feito a partir do seu perfil no Facebook – basta cadastrar um cartão de crédito ou ainda uma conta do PayPal para efetuar os pagamentos. Para chamar o motorista, você só precisa definir o endereço onde está e para onde deseja ir. O aplicativo faz um cálculo estimado do valor da viagem. Ao confirmar o pedido, você recebe as informações do motorista com nome, foto, tipo do carro e inclusive a placa do veículo. Aqui em São Paulo, o Uber oferece dois tipos de carros: os comuns e os pretos. Optamos pelo “black car” - um serviço um pouco mais caro, mas cheio de luxo. O motorista chegou em pouco mais de seis minutos. Um carro preto luxuoso, brilhando. Todo bem vestido, de terno e óculos escuros, logo ao entrar no carro, ofereceu uma garrafa de água geladinha ao nosso repórter. No painel, dois smartphones com o Uber rodando indicava os dados do passageiro, o destino, o tempo estimado de viagem e até a melhor rota até o destino. No melhor estilo “motorista particular”, o condutor falou pouco e foi bastante cordial. No final da viagem, bastou agradecer e descer do carro. Em instantes, um e-mail com o recibo da corrida chegou informando o valor da viagem: 27 reais!
Voltamos para o ponto de partida e então pegamos um táxi comum, na rua mesmo. Por estarmos em uma região bem movimentada, foram poucos minutos até encontrar um carro livre. Claro, o táxi era um carro popular, sem banco de couro, vidros abertos, música a gosto do taxista e nada de água gelada. Por outro lado, a simpatia do motorista fez diferença e nos lembrou quanto a maioria dos taxistas gosta de conversar. Mesmo trajeto, praticamente sem trânsito e no final da corrida: 26 reais e 50 centavos!
Novo na praça, o taxista contou que não tem assim tanto ódio pelo Uber, mas confessou que o movimento caiu depois do surgimento do aplicativo. Ele disse até conhecer alguns taxistas que trocaram os táxis por um carro próprio para trabalhar para a Uber. Vale lembrar que para ser taxista – seja em São Paulo ou qualquer lugar do mundo – é preciso pagar impostos, tirar uma licença especial e por aí vai. No caso do nosso motorista, ele trabalha para uma frota; entre gasolina e aluguel do carro, sai de casa todos os dias devendo pelo menos 250 reais. O engravatado da Uber preferiu não contar muitos detalhes do serviço; nós conversamos com os representantes da empresa aqui no Brasil. Ninguém do Uber se dispôs a conversar com a gente, mas recebemos um e-mail oficial dizendo que, por enquanto, a Uber continua operando normalmente em São Paulo e defende que os usuários têm o direito de escolher o modo que desejam se movimentar pela cidade.
Na última semana, um projeto de lei foi aprovado na Câmara Municipal proibindo o uso do Uber na cidade de São Paulo. A decisão final ainda depende de uma nova votação e mais uma rodada de discussões. Se o texto que proíbe o serviço passar mais uma vez pela aprovação dos vereadores, caberá ao prefeito da cidade decidir se a proibição vira mesmo uma lei; mas isso ainda deve levar algum tempo. Enquanto isso, fomos ouvir o lado dos taxistas, que recentemente prostestaram em massa pelas ruas da cidade e ameaçam até uma greve se uma atitude mais drástica não for tomada.
Alguns dias atrás, na França, taxistas bloquearam os acessos aos principais aeroportos e estações de trem em Paris como parte das ações de um protesto nacional contra o Uber. Lá o negócio foi mais violento: pneus foram queimados e carros virados ao longo das vias públicas da capital francesa. Os taxistas parisienses se queixam do déficit causado pelo aplicativo que é baseado em uma rede de condutores não profissionais. O argumento dos taxistas é que o alistamento de motoristas amadores, que não precisam pagar as taxas de licenciamento para prestar o serviço de transporte, dá ao Uber uma vantagem financeira desleal.
Presente em 295 cidades de 55 países, o Uber é a startup mais valiosa do mundo. Mas é criticada praticamente por todas as partes. Na Espanha e na Alemanha, tem seus serviços proibidos. Há também casos de cidades que inicialmente proibiram o Uber, mas que depois regularizaram a situação do aplicativo após pressão dos usuários. E por aqui, o que será que vai acontecer, hein? Aliás, qual sua opinião sobre o novo aplicativo? Nós vamos continuar acompanhando e você vai continuar sabendo de tudo primeiro aqui.
Veja o video:

Fonte: Olhar Digital.