25 de ago de 2015

90% dos Macs atuais poderão rodar o novo sistema OS X El Capitan

De acordo com estimativa, sucessor do Yosemite poderá rodar em quase todos os mesmos computadores do sistema anterior da Apple.
Anunciado pela Apple nesta segunda-feira, 8/6, o novo sistema OS X El Capitan vai rodar em quase 90% dos Macs atuais, segundo estimativas da Computerworld dos EUA. Apesar disso, é improvável que o sucessor do Yosemite consiga uma taxa de adoção tão alta pelos usuários da Apple.

A estimativa de Macs elegíveis para rodar o El Capitan é 10 pontos percentuais superior à anunciada no ano passado para o Yosemite.
O novo OS X El Capitan vai rodar nos mesmos Macs que rodam atualmente o Yosemite (2014), o Mavericks (de 2013), o Mountain Lion (2012) e o Lion (2011), de acordo com informações sobre os requerimentos mínimos de sistema do sistema, que foram confirmadas à Computerworld por desenvolvedores, que pediram por anonimato.
O OS X 10.11 vai rodar em iMacs de 2007 para frente; MacBooks de 13” de 2008 (case alumínio) e começo de 2009 (case de plástico) para frente; MacBooks Pro do meio de 2009 e depois (13”) e final de 2007 e após isso (15” e o descontinuado de 17”) e para frente; MacBook Air do final de 2008 para frente; Macs Mini do meio de 2009 para frente; e os Mac Pro do começo de 2008 para frente.
Com algumas poucas exceções – como os Mac Minis entre 2008 e 2009, os iMacs de 2007 com apenas 1GB de RAM – esses requisitos são idênticos aos do Yosemite e seus antecessores, o Mavericks e o Mountain Lion. Virtualmente todos esses mesmos Macs atendem a esses requisitos para o ainda mais antigo OS X Lion.
Juntos, o Lion, Mountain Lion, Mavericks e Yosemite rodaram 89,7% dos Macs em maio, segundo informações da empresa de análises Net Applications.
Fonte: Macworld

Nova bateria para iPhone promete duração de uma semana

A empresa inglesa Intelligent Energy pode ter amenizado o problema que aflige todos os usuários de iPhones: mais vida útil de bateria por carga. A empresa divulgou esta semana ter criado uma bateria movida a hidrogênio que permite ao smartphone funcionar por uma semana com apenas uma carga.
Informações sobre o protótipo do dispositivo foram publicadas pelo jornal inglês The Telegraph que viu o equipamento funcionando nos laboratórios da companhia. 
O iPhone 6 montado pela Intelligent Energy era equipado com os dois tipos de bateria - a regular e a outra, criada pela empresa, que gera eletricidade combinando hidrogênio e oxigênio e gerando como resíduos uma quantidade muito pequena de água e calor, que é dissipada na forma de vapor.
O projeto consegue incorporar um sistema de célula de combutível num iPhone 6 sem alterar tamanho ou espessura do equipamento original. As únicas diferenças sobre o modelo original são furinhos na traseira do aparelho por onde sai uma quantidade quase imperceptível de vapor de água
Os boatos sãp que a Intelligent Energy estaria trabalhando diretamente com a Apple no produto, que seria o primeiro do mundo. A Apple não comentou sobre o assunto. Na reportagem do The Telegraph, o CEO da Intelligent Energy, Henri Winand, não quis comentar sobre os rumores do envolvimento da Apple no projeto, dizendo apenas que "pelo que sabemos isso nunca foi feito antes. Conseguimos ter uma célula de combustível tão fina que pode ser inserida no chassis original do aparelho e sem eliminar a bateria original preexistente". 
Para o modelo comercial da bateria a empresa está projetando um tipo de cartucho descartável que seria acoplado na base dos futuros smartphones e que conteria hidrogênio suficiente para uma semana de uso do smartphone sem precisar recarregar. O preço não foi definido.
Fonte: Macworld