12 de nov de 2015

Mozilla finalmente libera aplicativo do Firefox para aparelhos iOS

Em testes desde setembro, versão do browser para aparelhos móveis da Apple agora está disponível para quem tem o iOS 8.2 ou versão mais recente.
A Mozilla finalmente liberou oficialmente o aplicativo do Firefox para aparelhos iOS como iPhone, iPad e iPod Touch.

Em testes desde setembro, quando foi liberado o seu beta público, a versão do browser para aparelhos móveis da Apple agora está disponível para quem tem o iOS 8.2 ou versão mais recente.
A Mozilla já oferece o Firefox no Android, mas sua presença no sistema do Google representa apenas uma pequena fatia do tráfego total no mobile, facilmente superado pelo Chrome e pelo Safari, de acordo com a StatCounter.
O uso geral do Firefox no desktop e mobile caiu nos últimos anos, segundo a empresa de análises W3Counter.
Criar uma versão do Firefox para iOS obrigou a Mozilla a refazer seu back end porque a App Store, da Apple, só permite navegadores que sejam criados em cima das suas engines de renderização e JavaScript.
Fonte: Macworld

Com acessórios, iPad Pro custa até R$ 11,8 mil no Brasil

O iPad Pro ainda não foi lançado no Brasil, mas ele já teve seus preços revelados por aqui. O tablet gigante da Apple, com sua tela de 13 polegadas pode chegar a até R$ 9,7 mil no país. Este preço é o mais alto, referente ao mesmo aparelho que é vendido por US$ 1.080 nos Estados Unidos.
O site oficial da Apple já lista todos os preços referentes ao iPad Pro. Você pode conferir os preços na página oficial, mas a tabelinha abaixo resume a situação:
ModeloPreço
iPad Pro de 32 GB com Wi-FiR$ 7,3 mil
iPad Pro de 128 GB com Wi-FiR$ 8,6 mil
iPad Pro de 128 GB com Wi-Fi e 4GR$ 9,7 mil

Sim, os tablets custarão uma pequena fortuna, que é bem mais alta que o patamar normal dos preços do iPad no Brasil. Só que há outro problema: os acessórios que fazem o iPad Pro realmente ser o “híbrido” da Apple são tão caros quanto.
O site lista a Apple Pencil, a stylus feita para funcionar com o iPad Pro, por R$ 750. Enquanto isso, o teclado Smart Keyboard tem o valor sugerido de R$ 1,3 mil. Ou seja: no total, o seu iPad nacional pode sair por até R$ 11,8 mil.
O iPad Pro foi lançado nesta quarta-feira, 11, internacionalmente. A Apple ainda não diz quando começará a vender seus novos produtos por aqui. O site oficial apenas lista os preços.
Fonte: Olhar Digital.

Preço do iPad Pro vai fazer você cair de costas; descubra o valor da facada

Como havia prometido no começo da semana, a Apple deu início às vendas do iPad Pro a partir desta quarta-feira (11) em 40 países. O Brasil, infelizmente, ficou de fora da seleta lista que já recebeu o poderoso tablet de 12,9 polegadas da Maçã. Entretanto, as más notícias não acabam por aí.
De acordo com a página brasileira reservada para a comercialização do iPad Pro no próprio site da Apple, o dispositivo terá um preço verdadeiramente assustador para os que estiverem interessados em adquirir esse produto por aqui. O tablet evidentemente ainda está indisponível, mas já é possível ver quanto a empresa pretende cobrar por cada uma das três versões. Um aviso: cuidado para não cair de costas.
Cuidado para não cair de costas.
No Brasil, o preço do iPad Pro segue conforme a lista a seguir:
  • iPad Pro de 32 GB com WiFi: R$ 7.299
  • iPad Pro de 128 GB com WiFi: R$ 8.599
  • iPad Pro de 128 GB com WiFi+4G: R$ 9.699
Sim, esses provavelmente serão os valores cobrados pelas versões do iPad Pro em terras tupiniquins. Nos Estados Unidos, essas três variações do tablet custam, respectivamente, US$ 799, US$ 949 e US$ 1.079, disponíveis nas cores prata, dourada e cinza espacial. E engana-se quem pensa que os acessórios desse tablet escapariam de serem taxados com preços exorbitantes.
Apple Pencil, a caneta stylus especialmente desenvolvida para profissionais para trabalhar com o tablet, será comercializada por módicos R$ 749 (nos Estados Unidos, ela custa US$ 99). Já o Smart Keyboard, acessório do iPad Pro que funciona como um teclado e uma capa de proteção, custará nada menos do que R$ 1.249 (nos Estados Unidos, ele custa US$ 169).
Então quanto custaria um iPad Pro banhado a ouro? R$ 100 mil?
Diante desses preços assustadores, descobrir que unidades do iPad Pro banhadas a ouro custam mais de R$ 10 mil parece piada. Já imaginou quanto custaria uma versão dessas aqui no Brasil? Se considerarmos que os preços brasileiros são quase 10 vezes maior que os praticados nos Estados Unidos, podemos assegurar que a versão coberta com o precioso metal chegaria custando quase R$ 100 mil. É ou não é para chorar?
Fonte: Tecmundo.

Conheça 4 aplicativos de mapas gratuitos alternativos ao Waze

Não é de hoje que o GPS se tornou um aplicativo essencial para os smartphones. Há muito ele já substituiu as páginas amarelas e os aparelhos físicos. O único problema é encontrar um app que seja realmente eficiente e que tenha um catálogo atualizado.
Um dos mais populares é o Waze (www.waze.com/pt-BR). Com a possibilidade de contribuir em tempo real com informações, o app informa acidentes, congestionamentos, radares e muito mais. O aplicativo é conhecido por traçar rotas alternativas ao trânsito e por informar sobre estabelecimentos úteis que o usuário encontrará ao longo do percurso. Ele está disponível para Android, iOS e Windows Phone.
Entretanto, há vida além dele. O UOL Tecnologia separou quatro programas disponíveis para sistema operacional Android, iOS e Windows Phone e que foram bem avaliados em suas respectivas lojas. Confira a lista:

Apple planeja extensão do Apple Pay para permitir pagamento entre pessoas

Segundo WSJ, companhia tem mantido conversas com bancos nos EUA para lançar recurso. Usuários poderiam enviar pagamentos de suas contas para outros usando seus telefones
A Apple tem conversado com grandes bancos sobre uma extensão de seu serviço Apple Pay que permitiria realizar pagamentos do tipo pessoa para pessoa. 
De acordo com informações do Wall Street Journal, as discussões estão em aberto e ainda não está claro se bancos firmaram algum acordo com a Apple. O jornal cita “fontes próximas às conversas”. 
Segundo a reportagem, o serviço permitiria usuários enviarem pagamentos de suas contas bancárias para outros usando seus telefones. Uma das fontes teria dito que o serviço poderia ser lançado em 2016. 
Entre os bancos procurados pela Apple estão o JP Morgan Chase, Capital One, Wells Fargo e US Bancorp. Se o serviço for lançado, certamente atrairá atenção para o nascente mercado de pagamentos móveis de pessoa para pessoa. Vários concorrentes, caso do PayPal, Google e Facebook, já oferecem tal forma de pagamento, mas sua penetração é ainda baixa entre usuários de smartphone. 
Vale lembrar que o mercado de pagamentos móvel ganhou grande visibilidade no ano passado quando a Apple lançou seu Apple Pay. Ele foi lançado três anos depois do Google Wallet, mas se provou ser um dos players mais eficientes em rápido desenvolvimento e competição no mercado. Ainda sim, o uso geral do modelo permanece baixo. 
Nesse contexto, companhias são a chave para acelerar esse cenário a medida que elas podem levar sua parte em cada transação. No entanto, o serviço proposto pela Apple pode não indicar riquezas diretamente. 
O Wall Street Journal disse que bancos não cobrariam para participar do serviço, o que pode ser encarado como uma estratégia da Apple em atrair mais consumidores para seus iPhones ou para ajudar a propagar o uso do Apple Pay entre seus clientes.
Fonte: Macworld