21 de mar de 2016

Apple lança versão menor e mais barata do iPad Pro

A Apple lançou nessa segunda-feira (21) uma versão menor e mais barata do iPad Pro, com tela de retina de 9,7 polegadas --bem mais compacto que o display de 12,9 polegadas do modelo apresentado em setembro de 2015.
Com quatro opções de cores --prateado, dourado, cinza espacial e ouro rosa--, o produto será vendido nos Estados Unidos a partir de 31 de março por US$ 599 (32GB), US$ 749 (128GB) e US$ 899 (256GB). A pré-venda será liberada no dia 24 de março. Valor bem mais em conta do que a versão anterior, que começou a ser vendida por a partir de US$ 799 (R$ 2.883).
A volta às 9,7 polegadas é justificada pela preferência dos compradores: "ainda é o tamanho mais popular do iPad", explica a empresa. A Apple diz que já foram vendidos mais de 200 milhões de iPads com essas medidas de tela.

Teclado, Apple Pencil e performance

O lançamento manteve a polêmica Apple Pencil --uma caneta stylus que interage com a tela-- e o teclado como acessórios. Também preservou a mesma performance do chip A9X.
"O poder dos PCs em um dispositivo fino e leve que você pode levar para qualquer lugar", enfatizou Phil Schiller, vice-presidente de marketing da Apple. O produto, segundo ele, é indicado para quem gosta de jogos, para quem trabalha com imagens ou mesmo para multitarefas. 
A nova versão preservou o sistema de áudio do primeiro iPad Pro, com quatro alto-falantes que garantem o dobro da potência de áudio do modelo Air 2, por exemplo.

Menos reflexo na tela

A grande inovação do novo iPad Pro, segundo a empresa, são os recursos "Night Shift" e "True Tone Display", capazes de mediar a cor da temperatura ambiente e ajustar automaticamente a iluminação da tela. Segundo a Apple, o novo modelo passa a ter uma tela 40% menos reflexiva e com 25% mais de saturação. 
Ao destacar o interesse dos "clientes em tirar fotos com o iPad", Schiller apontou o upgrade na câmera principal do dispositivo, que passou a ter 12 MP, contra os 8 MP da versão anterior. O sensor da câmara frontal melhorou --passou de 1,2 MP para 5 MP--, ganhou flash de retina --ou seja, a própria tela do aparelho é utilizada como "flash frontal" e o aparelho agora é capaz de gravar em 4K, tecnologias que já estavam presentes no iPhone 6s.

E no Brasil? 

O produto possivelmente virá para o Brasil, já que o site brasileiro da Apple incluiu as especificações do novo iPad Pro e informa que em breve estará disponível no país. Mas não se sabe quando, muito menos qual será o valor aplicado no mercado brasileiro. Vale lembrar que a versão de 12,9 polegadas custa de R$ 7.299 a R$ 10.999. 
Fonte: Uol.

Apple Watch ganha pulseiras coloridas e preço mais em conta

A Apple anunciou na tarde desta segunda-feira (21) uma nova linha do seu smartwatch por US$ 299 (cerca de R$ 1.079), quase US$ 100 a menos do que os modelos mais baratos --cujos preços variavam de US$ 349 (R$ 1.259) a US$ 399 (R$ 1.439).
No Brasil, a novidade será vendida por R$ 2.599 --caixa de 38 mm-- e R$ 2.999 --caixa de 42 mm-- uma redução de cerca de R$ 300. A data do início das vendas no
A chamada "linha primavera" traz pulseiras mais coloridas de borracha [amarela, damasco, azul-royal] ou nylon [rosa, azul-acqua, azul-royal, vermelha e preta], com caixas nas cores prateada, ouro rosa, dourada e cinza espacial.
"Um terço dos nossos usuários Apple Watch mudam frequentemente as pulseiras", disse Tim Cook, CEO da Apple, ao anunciar a novidade. 
Os preços da nova versão também surtiram efeito no modelo convencional do Apple Watch, que ficou mundialmente menos caro. No Brasil, a queda foi de ao menos R$ 400. Os relógios custam de R$ 4.599 a R$ 9.099, dependendo da combinação de pulseira e tamanho.

Foco em apps de saúde

A Apple também lançou o Carekit, uma nova plataforma de código aberto projetada para ajudar os desenvolvedores a gerir aplicativos com foco em saúde para dispositivos iOS. O recurso, que estará disponível a partir de abril, deve funcionar de forma semelhante ao ResearchKit --criado no ano passado--, mas vai se concentrar no atendimento ao paciente.
"Estamos entusiasmados com o profundo impacto que o ResearchKit já teve no ritmo e na escala das pesquisas médicas, e percebemos que muitos dos mesmos princípios poderiam ajudar no atendimento individual", justificou Jeff Williams, chefe de operações da Apple.
Na apresentação, a empresa afirmou que o recurso já estaria sendo testado por grupos de pesquisadores ligados ao tratamento do Parkinson, com o monitoramento da eficácia dos remédios e pós-operatório, bem como para estudos científicos sobre a doença. 
Também estariam sendo feitos estudos sobre autismo, com o objetivo de criar uma ferramenta de rastreio. Segundo a Apple, este cuidado com a saúde é "um verdadeiro diferencial para eles em comparação com outros relógios e telefones".
Fonte: Uol.

Apple lança novo "iPhone barato" hoje; veja o que esperar dele

A Apple deve lançar um novo iPhone nesta segunda-feira (21), a partir das 10h (14h do horário de Brasília), na Califórnia (EUA). Há expectativas ainda de que a empresa aproveite o evento para divulgar um novo iPad --possivelmente uma versão menor do iPad Pro--, além de atualizações no Apple Watch, iOS e no tvOS –sistema operacional da Apple TV.
Ainda que a marca comandada por Tim Cook mantenha total sigilo sobre as novidades que estão por vir, sites especializados têm divulgado diversas informações com as funções que os novos aparelhos devem conter. Não dá para garantir que 100% delas estejam certas, mas, historicamente, essas fontes costumam acertar.
Veja oito informações esperadas para o novo iPhone.

1. O nome pode dizer tudo

Que 6c que nada! Rumores apontam que o novo aparelho seja nomeado de iPhone 5se, já que tende a ser uma atualização ou uma segunda geração do iPhone 5s, com alguns recursos dos iPhone 6 e 6S. 

2. Menores proporções

É aguardado o lançamento de um aparelho de 4 polegadas --mesmo tamanho do iPhone 5 e 5S, em uma tentativa da Apple agradar os fãs de "telefones menores". 

3. Preço mais acessível

Pouco se sabe sobre o preço desse novo lançamento, mas acredita-se que ele venha para substituir o iPhone 5C no quesito preço. Pode não ser tão barato quanto o extinto aparelho, mas certamente vai ser mais em conta do que o iPhone 6S. Rumores sugerem que o preço varie de US$ 400 a US$ 500 (R$ 1.449 a R$ 1.581). 

4. Design refinado

No quesito design, o aparelho deve seguir o novo padrão da Apple, com bordas arredondadas e acabamento em vidro e metal. Acredita-se ainda que o botão de ligar/desligar deva passar para a lateral em vez do topo do modelo --assim como os iPhones 6 e 6S. 

5. Processador potente

Espera-se que o novo aparelho também herde dos últimos lançamentos o potente processador: A9. 

6. Câmera de 12 megapixels

O 5se iPhone deve ainda manter a câmera traseira de 12 megapixels encontrada no iPhone 6s. Deve ainda ganhar pequenas melhorias no foco automático e no recurso de fotos panoramas. Acredita-se também que ele possa ter suporte para fotos ao vivo. Nada se falou sobre a câmera frontal. 

7. Não espere o 3D Touch

Não espere no novo o iPhone a tecnologia 3D Touch --que funciona como se fosse o botão direito do celular. O recurso se manterá como uma característica própria dos iPhones 6s. 

8. Upgrade na bateria

A previsão é que o 5se tenha uma bateria de 1.642 mAh, mais potente do que a do 5S, que é de 1.570 mAh. Mas não será mais eficiente que o 6S, que tem uma bateria de 1.715 mAh.
Fonte: Uol.