15 de jun de 2016

Safari 10 vai desabilitar Flash por padrão com o novo macOS Sierra

Com isso, a Apple colocará mais um prego no caixão do plugin da Adobe. Empresa planeja fazer o mesmo com outros add-ons
comuns.

O navegador Safari, da Apple, está colocando mais um prego no caixão do Adobe Flash ao não dizer mais aos sites que oferecem tanto Flash quanto HTML5 que o plug-in está instalado nos Macs dos usuários.
A empresa de Cupertino está planejando medidas similares com outros plugins, como Java, Silverlight e QuickTime. Essa iniciativa vai forçar os sites com implementações de mídia baseadas no plug-in e no HTML5 a usarem o último, afirma a fabricante.
Quando o Safari 10 chegar no final do ano com o macOS Sierra, vai se comportar por padrão como se os plugins comuns de legado dos Macs dos usuários não estiverem instalados.
“Em sites que oferecem implementações Flash e HTML5 para conteúdo, os usuários do Safari agora vão experimentar a implementação moderna do HTML5, entregando um desempenho melhor e maior duração de bateria”, completa o engenheiro de software da Apple, Ricky Mondello.
Para a maioria dos sites que detectam que o Flash não está disponível, mas não possuem HTML5, uma mensagem com os dizeres “Flash não está instalado” será exibida com um link para baixar o plugin da Adobe. Ao clicar neste link, o usuário receberá um aviso do Safari de que o Flash já está instalado e poderá ativá-lo apenas uma vez ou sempre que o site for ativado. A opção padrão será ativar apenas uma vez.
O procedimento é o mesmo para outros plugins comuns, segundo Mondego.
Fonte: Macworld.

Apple deixa Macs mais antigos de fora com novo macOS Sierra

Programado para chegar em setembro, novo sistema da empresa deixará de fora máquinas lançados em 2007 e 2008 e algumas de 2009.

A Apple anunciou nesta segunda-feira, 13/06, que o novo macOS Sierra terá suporte para um número menor de Macs do que as edições anteriores do sistemas, deixando os computadores feitos a partir de 2008 de fora da lista.
Apesar de a empresa não ter publicado os requerimentos de sistema do Sierra em seu site, a companhia revelou a lista rapidamente em um slide durante uma keynote na abertura da WWDC 2016.
O slide em questão, que ficou na tela por apenas dois segundos, aponta que os Macs com suporte para o novo macOS Sierra incluem MacBooks e iMacs de 2009, MacBooks Air, Macbooks Pro, Mac Minis e Mac Pros fabricados a partir de 2010. 
Com isso, o suporte do novo Sierra será mais restrito do que as últimas cinco versões do software: o OS X Lion, o Mountain Lion, o Mavericks, o Yosemite e o mais recente El Capitan, aud incluíam modelos de 2007 e 2008 na lista.
Agora a Apple derrubou o suporte para todos os Macs lançados em 2007 e 2008, assim como os principais aparelhos da sua linha de notebooks - o Air e o Pro - lançados em 2009.
A empresa de Cupertino não deu uma razão para essa restrição do sistema operacional apenas para Macs mais recentes.
Fonte: Macworld.

No iOS 10, você finalmente vai deletar apps nativos do seu iPhone


Tela mostra apps nativos do iOS que poderão ser removidas

Uma das novidades do iOS 10, lançado nesta segunda-feira (14) pela Apple, passou batido para muitos, mas promete ser a alegria de quem sofre com a falta de memória interna nos iPhones. A empresa vai finalmente liberar a possibilidade de remover aplicativos nativos no novo sistema, que será liberado para todos os usuários até o final do ano. Quem diz isso é a própria Apple, que lançou uma página para mostrar os 23 apps que serão beneficiados com a novidade.
A lista inclui os apps Amigos, Bolsa, Bússola, Calculadora, Calendário, Contatos, Dicas, FaceTime, Gravador  HomeiBooks, iCloud Drive, iTunes Store, Lembretes, Mail, Mapas, Música, News, Notas, Podcasts, Tempo, Videos e Watch.
Para remover um ou mais desses apps nativos no iOS 10, toque e segure o ícone do aplicativo na tela inicial até que ele vibre; toque no ícone X no canto do app e depois em Remover; pressione o botão Home para terminar.
Para restaurá-lo, é pelo caminho normal da App Store: lá dentro, procure o aplicativo desejado, toque no ícone de baixar (uma nuvem com uma seta) e restaure-o. Terminado o download, ele estará de volta à tela inicial.
O usuário do Twitter @Shorty diz já ter acessado a versão do iOS 10 para desenvolvedores e postou um print dos apps já prontos para serem desinstalados (imagem acima).
Mas a novidade também vem com um pouco de "terrorismo" por parte da Apple. A empresa avisa: "quando você remove um app nativo, você também remove qualquer dado relacionado do usuário e arquivos de configuração. Isso pode afetar coisas como funções do sistema relacionadas ou informações sobre o seu Apple Watch".
Alguns exemplos do que poderá acontecer: se você tem um Apple Watch emparelhado com o iPhone, remover um app desses do celular também removerá esse mesmo app no Watch. Se você apagar os apps de Bolsa ou Tempo, as notificações trazidas por eles na Central de Notificações do seu iPhone também vão sumir.
Além disso, diz a Apple: "as aplicações integradas no iOS são projetadas para serem muito eficientes em espaço, pois todas elas juntas usam menos de 150 MB".
Em 2014, o iOS 8 causou celeuma entre usuários por causa do seu tamanho exagerado. Ele tinha cerca de 5 GB e ocupava mais da metade da memória do iPhone 5C, que ainda era vendido na época. Mas, de fato, a Apple aprendeu com o erro e a versão 9 do iOS já era bem menor, com 1,3 GB.
Fonte: Uol.

Apple mata o "Slide to unlock" no iOS 10

Quem atualizar o iPhone para o iOS 10 vai perceber, entre as novidades, que o botão "Slide to unlock" desapareceu. O recurso, que esteve presente nos dispositivos da empresa por 9 anos, foi alvo até de disputas judiciais. Desde o iOS 7 era possível deslizar a tela da esquerda para a direita, de qualquer parte, para desbloquear o dispositivo.
A partir de agora, quem deslizar a tela bloqueada da esquerda para a direita vai encontrar uma lista de widgets personalizáveis, com notificações sobre determinados apps. O movimento oposto abrirá a câmera. O desbloqueio será feito no botão Home de duas maneiras: quem possui o leitor de impressões digitais pode usar o dedo cadastrado. Quem não possui o sensor deve continuar digitando o código de desbloqueio.
Fonte: Olhar Digital.