23 de nov de 2016

Até seus fones de ouvido podem ser hackeados e usados para te rastrear

Você é paranoico com segurança da informação? Então eu peço desculpas desde já por aumentar o seu medo irracional (ou racional, quem sabe) através desta matéria. Mas eu preciso avisar que, de acordo com um estudo conduzido por pesquisadores israelenses, até mesmo seus fones de ouvido podem ser hackeados e utilizados para te rastrear — mesmo se eles não forem equipados com microfones.
Parece bruxaria, mas é pura tecnologia. Como você deve saber, um speaker usa sinais eletromagnéticos para criar ondas sonoras através de vibrações de uma membrana. Sendo assim, é natural que o inverso também ocorra e que, ao ser programado dessa maneira, o dispositivo identifique as vibrações do ar e as converta em sinais eletromagnéticos, que são enviados de volta para o computador na forma de áudio.
A dupla de cientistas foi um passo além e criou um malware capaz de atacar os chips de codificação da Realtek, que são usados na maioria das placas de áudio de computadores vendidos atualmente. O código malicioso reprograma essa plaquinha para que a saída de áudio, que deveria apenas servir como porta de saída para sons, se transforma em uma porta de entrada, extraindo qualquer barulho captado pelos fones de ouvido conectados.
Durante os testes, os israelenses conseguiram gravar áudio em um raio de seis metros de distância, provando que um criminoso cibernético poderia muito bem repetir o feito e ouvir tudo o que você falar em seu quarto, sala de estar ou escritório. Procurada pela revista WIRED, a Realtek até agora não se pronunciou a respeito da vulnerabilidade identificada.
Fonte: Tecmundo.

iPhone 4 encontrado depois de 1 ano mergulhado em lago a -30ºC ainda funciona

O engenheiro mecânico Daniel Kalgren encontrou um iPhone 4 no fundo de um lago na Pensilvânia, nos Estados Unidos, enquanto trabalhava recolhendo lixo no local, que foi drenado em setembro do ano passado por deficiências estruturais na barragem. O dispositivo, que havia sido perdido em 2015 por Michael Guntrum, estava em perfeitas condições, mesmo tendo passado mais de um ano mergulhado.
Guntrum conta que em março do ano passado estava pescando no gelo com seus amigos quando o celular caiu no lago. "Estávamos pescando no gelo, coloquei o telefone no meu colo e ele escorregou. Em vez de parar na neve, ele caiu no buraco. Eu peguei o peixe, mas a pescaria acabou não valendo a pena”, explica ele.
"Peguei o telefone, levei-o para casa, limpei e coloquei no arroz - só por curiosidade para ver se ele continuaria a funcionar", conta o engenheiro. Depois de dois dias, o iPhone ligou.
Ao encontrar o número do dono, Kalgren mandou uma mensagem contando que tinha encontrado o celular perdido. “Ele me mandou uma foto e perguntou ‘isso te parece familiar?’, e eu reconheci o protetor de tela”, conta Guntrum.
O iPhone 4 será enviado pelo correio e vai ganhar um novo dono: a mãe do jovem. "Minha mãe precisa de um smartphone", declara.
Fonte: Olhar Digital.