11 de out de 2015

Apple remove aplicativos de sua loja online por problemas com segurança

A Apple disse nesta quinta-feira que removeu "alguns" aplicativos da App Store, expressando suas preocupações de que a segurança dos dados pessoais de alguns usuários pudesse ter sido comprometida em certas circunstâncias.
A companhia disse que os aplicativos ameaçaram a segurança dos usuários ao instalar certificados que podem expor dados ao monitoramento de terceiros. A empresa não especificou o número preciso de aplicativos com o problema.
"A Apple está profundamente comprometida com a proteção da privacidade dos clientes e a segurança", disse uma porta-voz da Apple em uma declaração. "Estamos trabalhando lado a lado com estes desenvolvedores para retornar seus aplicativos rapidamente para a App Stores, enquanto garantimos que a privacidade e a segurança de clientes não estão em risco."
Fonte: Uol.

Saiba por que o seu Apple iPhone está mais lento que o normal

Se você já comprou um iPhone, provavelmente já passou pela sua cabeça que ele ficou mais lento após 1 ano ou logo depois de o lançamento de uma nova versão — a obsolescência programada também pode colocar uma pulga atrás de sua orelha. Tudo isso, de acordo com o Statista, recebeu um nome: o fenômeno do "iPhone lento".
portal de estatísticas pegou vários dados do Google Trends e mostrou que o termo "iPhone lento" bate marcas incríveis toda a vez que um novo smartphone é lançado pela Apple. Então, eles descobriram duas prováveis causa para isso: um novo iPhone sempre chega com um novo iOS, e os aparelhos mais antigos levam um tempo para ter o sistema renovado rodando sem lags — existe o tempo de adaptação. Por isso, se você está com um iPhone muito antigo, pode ser uma boa ideia não atualizar o sistema.
 A questão é que, às vezes, o seu smartphone continua realizando todas as tarefas normalmente e você não precisa de algo novo
A outra teoria — que também é bem plausível — toca no imaginário dos iFãs. Quanto mais apaixonado pela marca da Maçã, mais o usuário vai se sentir velho e com um aparelho inadequado. Fora dos padrões de Cupertino. Então, ele se convence de que o iPhone atual está ficando lento para conseguir comprar a nova versão. 
Veja: não estamos falando que você não pode comprar um celular novo. A questão é que, às vezes, o seu smartphone continua realizando todas as tarefas normalmente e você não precisa de algo novo (e caro) que simplesmente vai fazer as mesmas tarefas — e do mesmo jeito, da mesma maneira, em apenas alguns milésimos de segundos mais rápidos.
Acompanhe mais detalhes no gráfico abaixo.
Fonte: Tecmundo

Aprenda a escolher o melhor roteador Wi-Fi


Na hora de comprar um roteador sem fio, duas características principais devem ser observadas: velocidade de acesso e poder de alcance do equipamento. Do ponto de vista da segurança, dá para dizer que todos são equivalentes. Ou seja, com uma configuração bem-feita e com senhas fortes todos os roteadores disponíveis no mercado apresentam praticamente o mesmo padrão de segurança.

Falando da velocidade, é primeiro lembrar a relação que existe entre a velocidade do seu aparelho e a velocidade da sua conexão com a internet.

Ou seja, o seu roteador só vai ser um problema se for mais antiguinho.

Se você nunca ouviu falar desses padrões, a gente explica. O primeiro a se tornar popular foi o padrão "G", que oferecia velocidade de até 54 megabits por segundo. Em seguida, veio o padrão “N”, atingindo os 300 megabits por segundo. Alguns modelos do padrão “N” trazem a tecnologia MIMO embarcada, o que pode dobrar a velocidade oferecida para o padrão, chegando aos 600 megabits por segundo.

A tecnologia MIMO reúne técnicas de transmissão para sistemas sem fio com múltiplas antenas de transmissão e recepção. Para trafegar informações em canais paralelos, o roteador Wi-Fi "MIMO" traz mais de uma antena instalada, o que aumenta a velocidade e a estabilidade da conexão. Nem sempre as antenas são visíveis, mas é importante saber quantas existem.

Para avaliar o poder de transmissão da antena do roteador, há uma informação normalmente exposta na caixa do produto. O valor é medido pela unidade “dBi”, que define o alcance do sinal de transmissão de dados. Assim, quanto maior a potência indicada, maior será a área abrangida pelo dispositivo.

O padrão de mais recente de roteadores é o “802.11AC”, que triplicou a velocidade de acesso e chega a ultrapassar 1 gigabit por segundo. O padrão “AC” também traz o MIMO incorporado. Mais do que isso, o novo padrão é capaz de realizar múltiplas conexões de alta velocidade e ainda conversa simultaneamente com diversos aparelhos conectados sem qualquer interrupção. Quer dizer, essa nova tecnologia vai se tornar cada vez mais importante, à medida que nossas casas têm cada vez mais aparelhos conectados ao mesmo tempo.

A maioria dos roteadores padrão “N” – hoje os mais populares do mercado – operam na frequência de 2,4 gigahertz ((2,4GHz)). Curiosamente, esta é a mesma frequência utilizada, por exemplo, em fornos micro-ondas, aparelhos de telefones sem fio...o que pode causar interferência no sinal. Para resolver este problema, é comum encontrar roteadores dual band, ou seja, que operam em duas frequências: nos 2,4 gigahertz e também nos 5 gigahertz.

Por outro lado, a principal vantagem da frequência de 5 gigahertz é que ela sofre menos interferência, e o sinal chega mais limpo até os aparelhos. A desvantagem é que a onda de maior frequência se dispersa com mais facilidade – assim a cobertura com o 5 gigahertz pode ficar comprometida.

Mais uma avaliação para acertar na escolha do seu roteador é identificar o tipo de uso que você vai fazer do aparelho. O número de dispositivos que estiver conectado ao mesmo tempo vai compartilhar a velocidade de acesso ao roteador. Câmeras de monitoramento, por exemplo, em função da qualidade de transmissão do vídeo, usam bastante banda não só de internet e também do roteador – e isso deve ser levado em conta na hora de definir a capacidade do modelo.

Os parâmetros para escolher um roteador doméstico são os mesmos em caso de uma pequena empresa. Estes equipamentos normalmente suportam facilmente pelo menos 30 conexões simultâneas. A diferença é quando se pensa em uma solução de conectividade para uma grande corporação...aí a figura muda um pouco; e fica um tanto mais complexa.

Por último, a dica que fica é: depois de avaliar essas questões, tenha em mente que para a maioria das conexões, o padrão “N” ainda dá conta do recado; principalmente os modelos com a tecnologia MIMO. Por enquanto, os modelos padrão “AC”, além de serem mais caros, só são indicados para quem tem uma conexão de banda larga acima dos 100 megabits por segundo – ou para quem tem muitos aparelhos conectados ao mesmo tempo. Fica a dica!
Fonte: Olhar Digital.